Quando o telefone toca

Tenho medo do que vejo. Não existe o que se oculta. Pressinto a incerteza do tacto. Sei que escondo a mentira. Está debaixo da cama. Por cima do pó que o tempo fez esquecer. Não vejo. A certeza do olfacto.

O homem cego tem duas rodelas de pepino sobre as pálpebras. Durante o sono apodrecem. Acorda. O relógio marca horas. Os ponteiros informam os dedos. O homem cego sabe.


Posted on March 7th, 2006, 23:20 by jm
permalink | * Comments (1) | Comment this post | Trackbacks (0)