March 2006


Orgia

Fui ver a encenaÇão da Orgia do Pasolini pelos Artistas Unidos, na Culturgest. Discutiu-se qualquer coisa no blog Da Literatura (ver lista de links), mas não me parece que tenham visto a encenaÇão do João Grosso, em palco lisboeta entre Dezembro e Janeiro passados.

O texto é estupendo... Mas entre encenaÇões há que discutir. E discuta quem o sabe fazer. Quem não foi ao Dona Maria II deve ir ver os AU. Os outros... Sei lá.


Posted on March 30th, 2006, 20:42 by jm
permalink | Comment this post | Trackbacks (0)

O subjectivo substantivo

A evidência das palavras deve ser para o leitor a sua própria interpretação do evento descrito ou desejado nas palavras lidas. Aquele que escreve não deve interferir na relação entre leitor e escrito. O escrito deve ganhar nova vida a cada leitura diferenciada... A cada olhar de cérebros diferentes. A casualidade poderá acertar nas pretensões de quem escreve. Mas eu considero essa coincidência... perto do nulo.

A consistência e uniformidade no sentido criativo de um conjunto de textos pode acontecer... Mas obrigar a que tal seja real como numa produção em série... Amigos... Aquilo não é uma fábrica.

O segundo parágrafo não tem nada a ver com o primeiro... E este com nenhum dos anteriores, excepto na sua explicação (sem pássaros).


Posted on March 26th, 2006, 0:35 by jm
permalink | Comment this post | Trackbacks (0)

Fui ver

em Sintra, no Olga Cadaval, a estreia de "Ensaios para Rádio", de Beckett.... A encenaÇão vai agora para o Maria Matos, que reabre na segunda-feira.


Posted on March 26th, 2006, 0:27 by jm
permalink | Comment this post | Trackbacks (0)

Periférica - The Vilarelher

Graças à gentil e amável pessoa, o sr. Fernando Gouveia, chega-me às mãos - após depósito na casa paterna -, o último número da revista Periférica. O 14, do inverno que terminou em recente evento de calendário.

A revista pode ser adquirida em livrarias de bom gosto. Tem a participação de Maria do Rosário Pedreira, GonÇalo M. Tavares, Pascal Thivillon (BD), Célia Doran (pintura), Grzeszykowska & Smaga (fotografia), Connie Imboden (fotografia) e o grupo InfracÇões (design), para além dos de dentro, Fernando Gouveia, Rui Bebiano, Rui Ângelo Araújo, J. Rentes de Carvalho, José Ferreira Borges, etc..

Despedimo-nos deles, até ao seu regresso.

Periférica -número14


Posted on March 22nd, 2006, 23:07 by jm
permalink | * Comments (3) | Comment this post | Trackbacks (0)

para dois vazios

em contínuo.

existem dois segredos guardados no fundo da garrafa em vidro da Marinha Grande. um é uma unha partida e outro o chumbo de um dente podre. as mulheres que acompanham estes sopros têm sorrisos sujos de esgotamento. as janelas fecham-se. o sol continua a entrar pela ausência de cortinas. a panela treme e a tampa faz barulho ao tentar equilibra-se na circunferência de metal. eles poderiam ter sido felizes. o cheiro do feijão a cozer denuncia o bispo. os filhos amam-se no quarto interior. as mulheres fritam peixe.

os dois vasos comunicantes estão secos.


Posted on March 22nd, 2006, 11:32 by jm
permalink | * Comments (8) | Comment this post | Trackbacks (3)

dias assim

não se comemoram

Posted on March 21st, 2006, 23:18 by jm
permalink | Comment this post | Trackbacks (1)

não

tenho amigos nos lugares certos

Posted on March 18th, 2006, 10:14 by jm
permalink | * Comments (4) | Comment this post | Trackbacks (0)

dream

aquele que não grita morre. o silêncio é. a morte não avisa.


Posted on March 17th, 2006, 0:56 by jm
permalink | * Comments (4) | Comment this post | Trackbacks (0)

Day after day... and death so alone

é insuportável o ruído permamente no silêncio da minha cabeÇa. O fffuuu e o uuu soprado da minha respiraÇão. O meu estar exige som. Mesmo se para escrever sobre dois gatos. Dois gatos que festejamos na casa do pai.

Quando ainda via, o cego - animal de costumes -, olhava. Aprendeu pouco e já não se lembra do que não viu. Que importa?

Silêncio. O ruído instala-se. Dói-me o vazio.

O cego está dentro da manilha e uiva. O cão admira-o afónico. O cego tapou os olhos com as mãos entreabertas para confundir as putas que estavam a passar por ali. Verde alface, clamava, verde alface.

Os olhos do cérebro morreram. A resistência do cérebro está por provar. A existência é. Os olhos não.

O cego deixou que os passos se emudecessem para abraÇar o cão. O cão escapou-se. O cego berrou-lhe: cabrão, mal agradecido. O cão foi mijar mais além para não sujar a cama.


Posted on March 15th, 2006, 22:19 by jm
permalink | * Comments (1) | Comment this post | Trackbacks (0)

mon diego

Na casa dos pais sorri contigo enquanto brincavamos com os dois gatos.


Posted on March 14th, 2006, 21:57 by jm
permalink | Comment this post | Trackbacks (0)

Previous posts in March 2006